Incêndio no Parque Estadual do Aguapeí termina após sete dias; fogo consumiu cerca de 850 hectares








A Defesa Civil do Estado de São Paulo informou que o incêndio no Parque Estadual do Aguapeí foi extinto por volta das 11h30 deste sábado (19). Foram sete dias de combate às chamas e a estimativa é que o fogo tenha consumido cerca de 850 hectares na reserva florestal que engloba as cidades de Monte Castelo e São João do Pau D'Alho. Essa área afetada é equivalente a 1.190 campos de futebol.

O avião particular contratado emergencialmente pela Fundação Florestal e pela Defesa Civil do Estado de São Paulo realizou 41 voos, com a utilização de mais de 84 mil litros de água. Dois Helicópteros Águia, das bases de Prudente e Araçatuba, também participaram do combate às chamas. Neste sábado (19), foi realizado o trabalho de rescaldo e a extinção total do fogo.

Os trabalhos de combate ao incêndio mobilizaram equipes da Fundação Florestal, da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, de voluntários e de brigadistas de usinas sucroalcooleiras da região de Presidente Prudente.

“O uso da aeronave de asa fixa foi imprescindível para que as chamas não se alastrassem para uma área de replantio dentro da reserva, sendo que em alguns pontos seria impossível o combate por meio terrestre. Ainda com o uso da aeronave, foi possível impedir que as chamas chegassem próximo a uma rodovia, evitando danos ambientais e possíveis acidentes de trânsito em virtude da fumaça”, salientou a Defesa Civil.

A Defesa Civil ainda ressaltou que foi utilizado um drone para reconhecimento da área queimada.


Incêndio atingiu o Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil

Parque Estadual do Aguapeí

Criados em 1998, o Parque Estadual do Aguapeí e o Parque Estadual do Rio do Peixe fazem parte da região conhecida como Pantaninho Paulista que, semelhante ao Pantanal brasileiro, apresenta ambiente predominantemente alagadiço.

Embora os parques do Aguapeí e do Rio do Peixe estejam isolados por terra, eles estão conectados pelas águas dos rios que lhes emprestam os nomes, pois deságuam no Rio Paraná a algumas dezenas de quilômetros um do outro, num fluxo contínuo de nutrientes e espécies.

As principais formações vegetacionais do parque são Floresta Estacional Semidecidual Sub-Montana (Mata Atlântica) e vegetação de várzea, onde foram listadas 154 espécies da flora nativa.

Quanto à fauna, como o cervo-do-pantanal, o lobo-guará, o bugio, o jacaré-de-papo-amarelo e o jacaré-anão, e inúmeras espécies de aves, como a anhuma, o cardeal-do-pantanal e o jaburu, entre outros, dependem diretamente dos ambientes lacustres, pois estão inseridos na teia alimentar que sustenta a biodiversidade deste lugar.

O Parque Estadual do Aguapeí possui 9.043,970 hectares.


Incêndio atingiu o Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil


Incêndio atingiu o Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil


Incêndio atingiu o Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil


Avião atuou no combate ao incêndio no Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil


Helicóptero Águia, da Polícia Militar, atuou no combate ao incêndio no Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil


Incêndio atingiu o Parque Estadual do Aguapeí — Foto: Defesa Civil

Créditos: https://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2020/09/19/incendio-no-parque-estadual-do-aguapei-termina-apos-sete-dias-fogo-consumiu-cerca-de-850-hectares.ghtml

.