S. João Pau DAlho

Prefeitura: Prefeitura Municipal de São João do Pau D Alho

Endereço: Av. Evaristo Cavalheri 281

CEP: 1790-000

Telefone: (18) 3857-1277

E-Mail: prefmsjp@abcrede.com.br

Site: www.paudalho.sp.gov.br

História:

 Prefeito: Fernando Barberino

Vice-Prefeito: Idevalte Ungari

Câmara Municipal: http://camarapaudalho.sp.gov.br/

Presidente de Câmara Municipal (2017): -

Vereadores (2017-2020):

 Adécio Sebastião Lopes Barros

• Antônio Donizete Ponso

• Lucas de Oliveira Barbosa

• Gerson Caetano Crepaldi

• Luzia Moreira dos Santos

• Jair Ribas Rodrigues

• Welinton Luiz Fernandes Mazzo

• Valdir Batista

• Maria Eliza Barberino Sanches

 

 

Existem muitas dúvidas com relação ao período histórico, anterior a colonização realizada nas terras que passaram a compreender o município de São João do Pau D Alho. Uma pode ser analisada de maneira mais compreensível por tratar-se da fauna encontrada pelos desbravadores em meados dos anos 40. Outra, mais complicada, diz respeito aos possíveis vestígios deixados por indígenas em lugares que constituíram o município.

Num sentido geral, estas dúvidas estão presentes no estudo da história de São João do Pau D Alho devido a falta de fontes que podem nos auxiliar nas interpretações daquela época. Na realidade, não existe nenhum tipo de fonte histórica que possa alicerçar nossos entendimentos sobre aquele período, salvo algumas existentes em outros municípios da Nova Alta Paulista que, mesmo assim, mostram-se irrisórias na resolução de dúvidas quanto aquele período. Por isso recorremos à livros que sintetizam, no caso dos aspectos naturais, as característica da região. Sobre a problemática da possível existência de indígenas, analisamos o imaginário das fontes orais que vivenciaram o período de chegada nestas terras e as expectativas criadas quanto ao fato, os estudos genéricos sobre o assunto abordado em livros, as pesquisas levantadas à partir do encontro de vestígios destas culturas próximas à delimitação geográfica que constitui o município e algumas fontes escritas existentes na sede do antigo município de Gracianópolis.

A formação da cidade e a origem do nome

A aglomeração das casas que constituísse um povoado era condição básica de sobrevivência para muitos colonizadores que possuíam nestas terras. Uma vida, além de significar um local de socialização de todos, pois indistintamente de condições sociais e financeiras, unia trabalhadores rurais de terras, homens e mulheres, aventureiros a assentados no seu dia à dia, também significava o espaço de resolução de problemas imediatos por parte dos habitantes das propriedades em sua redondeza, tendo em vista os poucos meios de locomoção que inviabilizavam viagem constantes para outras localidades. O grande números de trabalhadores rurais - derrubadores de mato, plantadores de café, colonos, etc, e a distância da sede do município exigiam a criação de um núcleo comercial que melhor atendesse as suas necessidades.

Pensando em acomodar grande parte daqueles aqui chegavam, uma vila passou a ser idealizada pelo dono das terras em que foi construída. Era idéia de Evaristo Cavalheri formar um povoado que solucionasse grande parte dos problemas enfrentados pelos habitantes próximos às suas terras. Segundo fontes, ao comprar a devida faixa de terras da Sociedade Pastoril e Agrícola, Evaristo tinha em mente a construção de um povoado, constando, segundo algumas fontes, no mapa de suas propriedades em espaço destinado para a fundação de uma sede em meio às suas terras. Porém, para outros, a formação da cidade teve origem muito antes do planejamento de Evaristo, quando chegaram os primeiros investigadores destas terras, por volta de 1946, e passaram a questionar a necessidade de uma vila para as terras que seriam povoadas. É incerto o momento histórico em que foi construída a primeira casa da vila e, muitos mais, a existência de uma perspectiva de fundação da cidade quando edificou-se tal residência. As únicas informações estão contidas em dados oficiais que relutam em afirmar que a primeira casa foi de José Antônio Sanches, construída em meados de 1949. Somada a esta, no referido ano já existiam outras casas que passaram a construir o povoado. Exemplo claro está numa fonte histórica iconográfica, com data de 26 de novembro de 1949, em que encontram-se um Engenho chamado por Machado, Geraldo Rego, Lídia Bonfim, Sebastião Rego, Ernesto Marques e Evaristo Cavalheri. Na reportagem do Jornal Nossa Terra nº 45 de 26 de novembro de 1949, o redator fez uma análise que revela, em parte, o que outras fontes subsidiam a interpretação que temos sobre a formação da vila de São João do Pau D Alho. Para ele O sonho de alguns desbravadores era de se erguer na região, um povoado a fim de abrigar os colonizadores que aqui chegassem. Não se pretendia uma metrópole, muito menos um aglomerado de casas, mas, o suficiente para dar condições de moradia ao pessoal.

A partir destas construções, somadas com um desempenho por parte do desbravador e de homens que aqui moravam, muitos embates existiram na formação da vila.

Dentre as inúmeras disputas podemos citar a própria discussão em torno do nome da cidade. Segundo dados oficiais, São João do Pau D Alho foi fundada em 24 de junho de 1949, com o nome que una o dia de São João, data da fundação e, dessa forma, o consequente padroeiro da localidade, e a abundância da árvore pau d alho. Foi entre a idéia de abundância e eventualidade que originou-se o nome de São João do Pau DAlho.

Fonte: História de São João do Pau D Alho - por Fernando Perli

.